sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Estranho é o Estrangeiro



A minha terra tem ipês
Que florem até em Sabará
Nesta terra, se enCaminha
Em se plantando tudo dá
Se aqui até o rei conhecemos
E não nos é dado optar
Por terra fria, terra alheia
Eu só passo, sem ficar.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

54 dias...


Vive o hoje que não te furte
O amanhã que já ontem planejavas

Mas não deixes tornar-se-te a vida
"Boneca partida antes de brincada"



segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Nem sempre as pesquisas... (Ex net)


As pesquisas são manipuladas e não refletem a tendência do eleitor.

Um amigo realizou um levantamento por conta própria e concluiu que a próxima Presidente da República vai ser a mãe dele.

Telefonou para 1.253 pessoas entre duas e quatro da madrugada, em 54 cidades brasileiras e perguntou:

EM QUEM TU VAIS VOTAR PARA PRESIDENTE?

Todos os entrevistados responderam: NA PUTA QUE TE PARIU.

domingo, 24 de outubro de 2010

Plantão - Exótico Exorcismo


Acabo de chegar da padaria, onde me foi lançado à cara que "mentira tem perna curta". Estou na fila do pão quando uma senhora, mirrada e franzina, acerca-se-me, e, levantando a minha manga:
-Você tem tatuagem! Você é de Deus ou do outro?

Supondo que mangava de mim, limitei-me a sorrir:

-Que isso, minha senhora!
-Senhorita! (olhos saltados)
-Minha senhora, não tem nada disso!

Tremendo, e dando pequenos pulinhos, ela diz:

-Quem é que faz tatuage é que tá tomado!

Vou pesar o pão. Adianta-se-me. A balconista:

-Quem chegou primeiro?

Entrego-lhe minha cesta, mas a senhora adianta a sua e diz:

-Sou filha do rei, ele tem parte.

Sorridente, em minha camisa vermelha em que inscrito um Homer Simpson com ademane Heavy Metal (mais essa!), penso em mostrar-lhe a língua, mas me ocorre que pode ter nas mãos ocultas e nervosas tanto uma réstia de alhos (que só lesaria aos que não se enxergam... no espelho) quanto uma estaca de madeira (que nos lesaria a todos!); então,limito-me a um:

-Minha senhora, essa água benta ainda acaba te matando!

Viram? Fosse à missa isso não me passava!
In vino, veritas; em água batizada...

Alto Autodiálogo Intertextual


"O inferno são os outros", mas o céu...
-É o limite!
O céu...
-Não seria rima nem seria solução!
O céu não é bem você!

(O que ele coaxa, eu coacho; em premissa, não em conclusão!
Pensa em céu quem sabe que não é bom estar-se solo!)

terça-feira, 19 de outubro de 2010

"Tenta ali no Serra da "Mercenaria"

"Ah, fecho a banca e posso tentar a prefeitura de Nova York!"

Saboreava meu tradicional sanduba Druida, quando experimentei uma sensação de indigestão. Tão rápido? Não! O sanduíche estava em perfeita ordem, mas apareceu-me inserção pró-Serra. Nela, um sujeito está parado em frente a uma loja:
"Dilma tinha uma loja de brinquedos em Porto Alegre. O que aconteceu? Ela fechou as portas." E vem o slogan:

ELA NÃO VAI DAR CONTA!

Agora entendi tudo: O Serra acha que o Estado é uma mercearia; daí passar sempre o ponto quando outro empreendimento parece mais atraente! Até me alegro, não o aturaríamos muito tempo? Mas será que seu índio é integrado? Alô! Funai?



ps: "Antes a gente privatiza, aí gere de lá!"

domingo, 17 de outubro de 2010

Benemérito Batata!




O BENEMERÉRITO BATATA

"Batata" é o nome do simpático proprietário do restaurante homônimo (por cá já aparecido), em que muito fiel e satisfatoriamente almoço da mais saudável forma possível deeeeeesde 99! Não sei se parece uma batata, que nem é o item principal do seu cardápio (não é sequer cotidiana), mas ganhou o epíteto. Aliás, como já sugerido, é onde como melhor, pela feliz coincidência entre o que de saudável de ordinário escolho e o que está normalmente ali exposto. Pratos coloridos, como os da instantânea sugestão nutricional.

Batata é conterrâneo de minha muito saudosa mãe, vindo também ele das cercanias de nossa tecnópolis, Viçosa. Minha relação com Batata estreitou-se quando de minha lotação no Sabarabuçu. Primeiro, porque passei a gerir eu mesmo minha conta alimentação, tornando-me seu cliente direto. Segundo, porque o bom Batata é admirador do local, tendo-me prontamente nomeado seu corretor. Infelizmente, nem para o Cartório (de eterna iminente expulsão) achei lugar, que dirá para o amigo. Não satisfeito, elegeu-me Batata o rei de Sabará (no Brasil os reis se elegem, mas isto não cabe no post...Ah, os postes também se elegem, já verão, em pleno horário de verão!), e quis-me lançar prefeito. Não posso; estou funcionalmente impedido.

Feito seu rei, sobrevinda a desgraça, Batata não falhou aos funerais da rainha-mãe, em que nos prestou solidariedade, e os pêsames do costume. Muitos sentimentos... (Batata tem até mesmo uma filha muito bonita, de que lhes deixo aqui a propaganda, já que sou um lucky bastard, o agraciado agregado de Roberto Carlos da Vendinha, que não é da mercancia, mas da contabilidade, and I do count my blessings, though I’ve been counting but stars, or sheep, mas o que conta é estar a gente feliz! Grandes parênteses! Parentes, né...)

Indo ao ponto, como bem sabem, não sou afeito a perseguidores, nem os dos supostos propugnadores do aborto, nem os da pelota. Para o convívio diário entre homens, no entanto, o noticiário esportivo é de obrigatória inclusão na pauta. Dia desses, em que se resgatavam os mineiros chilenos, disse-me o Batata, do caixa, que fora ele o responsável pela concepção do plano! Grande e bom Batata! Disse-lhe, em tom de mofa, que talvez fosse ele, exímio resgatador de mineiros, o mais indicado para tirar do buraco o Atlético... mineiro!

Não tardou a me contar que fora ele, também, o responsável pela vitória da véspera!

Benemérito Batata!

Terminei ex abrupto?

Fui!

sábado, 16 de outubro de 2010

Vã Piração - Abortem o engodo


Soterrada pela popularidade de Lula, que elegeria até mesmo um poste como Dilma (...como um poste?), a campanha do eterno presidenciável Serra, depois de ter tentado até mesmo vendê-lo como continuador do mitológico presidente, apostou, através dos jornais serristas, numa elevação da figura de Marina Silva, até então alijada da bipolar cobertura midiática, no que provou ser uma muito boa estratégia de consecução de um segundo turno.

Agora, depois de uma infrutífera campanha difamatória que vendia a candidata petista como inlclinada a relações homoafetivas (o que, de resto, não tem qualquer relevância), os maquinadores tucanos eregiram em ponto de fundamental importância a discussão sobre o aborto. Sem me posicionar quanto a questão, por desnecessário, apelo à razão dos debatedores para que abandonem o vergastado e estéril ponto.

Antes do mais, é forçoso reconhecer que, conquanto o executivo brasileiro seja um dos mais hipertrofiados de que se tem notícia, o poder do chefe do executivo para, sozinho, promover alterações no tratamento legal do aborto é quase nulo. Ademais, o problema é de saúde pública, e não religioso. Pouco se me dá a religião professada, se alguma, pelos presidenciáveis.

Este é um estado laico. Abaixo os deuses constitucionalmente preambulares! Abaixo os cristos nos tribunais do júri! Abaixo a politização dos púlpitos.!Não são mesmo os mais fervorosos os primeiros a defenderem ser defeso tomar o nome de Deus em vão?

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Vida na Zona - "Pensando bem, justifica sim!"

Dizem que no Brasil votar é um direito e um dever. Não lhes assiste exata razão. É um direito, fato, mas não um dever. O tipo é obrigado a comparecer à seção eleitoral, mas não a votar, não exatamente.

Quem está fora de seu domícilio eleitoral, a cidade em que vota, deve comparecer a uma seção no dia da eleição, qualquer uma, e justificar. Quanto a essa justificativa não há discussão, fez no dia o procedimento, está justificado.

Passado o dia da eleição, o sujeito tem sessenta dias para justificar sua ausência às urnas (e não a abstenção do voto).

Muito discutimos o rigor que deve ser aplicado a essas justificativas em sessenta dias, já que a terrível multa a que estará obrigado o eleitor, caso não seja aceita, é de R$ 3,50, mais barata que as passagens de ida e volta ao Cartório. Quando lhes revelamos o valor da multa, sorriem. Quando lhes dizemos que só se paga no Banco do Brasil, e que se destina ao fundo partidário, nem tanto!

Considerado esse fato, sou favorável à aceitação da justificativa pelo só comparecimento do eleitor, nos moldes do dia da votação. Além de consentâneo com o que então se exige, diminuiria as filas no dia do pleito; talvez...

Neste contexto, deixo aqui a transcrição do que escreveu um eleitor em um de nossos Cartórios, salvo engano, o de Suaçuí. Francamente brasileiro!:

"POR FORÇA MAIOR QUE ME ACONTECEU UN PROBLEMAS CASUAL E EU PAREI NO
TENPO E NÃO ESTOU TENDO DECISÃO DE DECIDI EM PROL DA CIDADANIA MAS COM O TEMPO EU ESPERO QUE POSSA OPINAR MELHOR FICO AGRADECIDO."

E viva a terra de Guimarães Rosa!

66 dias... Ora! (quem diria...)


Ó, Senhor!
Abrevie este penar
Torne em breve em "já"
O estar-se prestes a

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Antesala

Não me agastas, pequeno
Embora grites
Não me agastas, pequeno
Não me agrides

Não me agastas
Mas não gastes o grito
Não o gastes em euforia pouca
Não agasto, mas há outras!

Quisera dar-te chave, lição
Quisera dar-te claves, missão
Quisera dar-te
Mas há gasto

É jurídico
É verídico:
Ninguém transfere mais do que possui

Aeroporto
Porto portas
Que não abro a ninguém.

sábado, 9 de outubro de 2010

Biazinha et Yaguinho


ENJOY CE JOLI JOUR!

Disse minha filha dia desses
Que sou poeta em prosa
O que muito me apraz
Poeta prosa
"Eca!" e "nunca!",
Jamais!


terça-feira, 5 de outubro de 2010

Ó, irmãos!

Encontrei minha irmã no corredor
E dei-lhe os fraternos habituais tapinhas na face
Nada que lhe doesse, tudo à italiana
Nada que lhe doesse não remoesse
Naquele lado as dores da recente intervenção

Sofresse melhor a intervenção divina
Católica que fosse em corrente (e) prática
Nada sofria, não plangia
Que me oferecia a outra face.

75 dias... Líquido Incerto

Feito tolo nas coisas do amor...

Feito quanto ao demais!

Embora o demais me pareça demenos

No mais das vezes

Perfeito! Já amais!

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

In: Coerente

A minha opinião é para a doxa; e a sua?

Amigos do Pleito - Pleiteando o Brasil





E eis que superados os dias de SLU da democracia, de farpar os dedos nas cercas da irregularidade, chega o grande e longo dia.

Horário de bombordam estebordo!

04:00 Soa, desperta a dor. Confusão. Oncotô?

04:10 Soa o tel, e as bençãos vêm improváveis e, a um primeiro tempo, incompreensíveis. Compreendem-se, absorvem-se, percorrem-me, "o dia há de ser bom!"

04:40 Estrada escura, por que não cenouras na infância? "Fiat Lux, diacho!"

05:05 Ponto. Tá aberta oficialmente a danada, digo, jornada!

05:45 Reservatório das Urnas. Polícia Militar. Guarda Municipal. Toda a frota da Prefeitura. Caixas escada abaixo, os vários grupos pros vários ônibus, que por várias rotas as levarão a seus vários destinos vários. Em alguns a certeza de tensão, em outros, a cooperação se presume.

06:00 Pé na mesma estrada; sentido inverso. Vou em verso, que é mais fácil assim.

06:45 Sagrada Família. A cooperação que se presume se confirma. Vão lá os reservatórios da vontade popular. Vão limpos, que não voltem tão sujos assim!

07:10 Maria Floripes. Bis in idem.

07:20 A mesma praça, os mesmos bancos.... Padaria afora o pão da espera.

08:00 Começam a cair os votos, o Brasil ainda ninguém sabe se cairá junto.

09:30 Re-roto. Estrada afora, iniciado e inciante, legião suburbana, para alimentar os verdadeiros amigos do pleito, os mesários, estes bem menos mercenários, que só levam o ticket de vintão. Alguns ainda se alegram: Aumentou!

-----10:30 Sala-a-sala das escolas, "será que ali alguém aprendeu a lição?" É secreto, só mais tarde pra saber no que dão. Mesários sorriem, recebem seus nutritivos papeis, brincam, e todos tiramos de tudo a diversão que se possa.

No entre-escolas é a caça à boca de urna. O carro é pequeno, só comporta os santinhos de papel, os do pau oco ficam pra trás, assustados, alguns para a recarga, alguns pra "nunca-de-novo". Um senhor se vale da filha, "ela trouxe de casa". Pilantra. "Sem essa, meu senhor! Dá cá!". A mulher treme, determina, o homem cessa a porfia.

Um homem traz uns trezentos cartões na mão. "Aqui, por favor, senhor!" "São para a minha família, menino!" "Senhor, pelas minhas barbas, ninguém é tão silva assim!".

Uma mulher me olha assustada, acerco-me, vê a chance, fura o cerco, corre, corro. Tô por fora... de forma, ela ainda mais. Bufa, cansa, para. "Dexa eu ganhar meu pão, menino". "Moça, só até ontem" A legião ri.

Exorbitando a área da nossa competência, Cidade Nova, cidade outra, voto. Conturbação, com a turba toda se espremendo no corredor. No corredor não vale a minha carteira, só a minha paciência. Na seção em que a carteira valeria, não há fila. Voto rápido, só em dois, e o resto pro diabo!

12:00 Pausa para o almoço. Cê qui Sabe. Eu tomo uma Coca-Cola, com sorte ela pensa em casamento. Uma canção me consola, sempre, EWIDKW. Não sei se preciso, mas jamais dispenso. Penso demais; se dis-penso, perco.

----15:00 Problemas poucos com urnas; mesários que se equivocam.

15:30 Mesário engajado e bacharel. Propaganda subliminar. Um candidato que encomendara um jingle com um galo que cantava ao fundo e outros sons o exibe, mas sem as mensagem de pedido de voto, ou outra que o identifique verbal e explicitamente. Não sei não, hein! Fio para o juiz, fim de assunto: não.

16:00 Chegam os irmãos de sangue, amigos do pleito voluntários. Os caça-urnas, depositários das esperanças de verificação.

16:40 Tres-roto. De volta às origens, em busca das urnas, cavalos de Tróia... ou não!

17:10 Sagrada FAmília. Tudo encerrado... que soRte! Recolhemos tudo, alguns mesários são uns.... Mas só uns.... outros excelentes. A média é favorável.

17:40 Maria Floripes. Mais fatigados que os outros, que já esperam seus atestados, mas mais dispostos ainda. Muita ajuda, tudo certo...

18:00 Todo mundo ajuntado no Cartório, e o presidente da Junta é, por força, o Juiz. Correria, extravios, tudo se resolve. Contigência mínima, alegria, disposição.

Vistos os boletins de urna retirados das escolas, uma surpresa. A senhora Selva vencia em Sabará, pelo jeito. Alguns ficamos verdinhos... da Silva! E venceu mesmo! No mais, Gerais, pouca surpresa, ninguém cai pra trás.... Se bem que, segundo Tom Cavalcanti.... Hélio de Costas e Patrás.... Professor indicado... professor eleito.

No Brasil.... o de sempre!
Bomgauchismo: "O povo pena mas não pára..." pra pensar!

23:00 Sai juiz, sai junta, sai promotora. Ata assinada. Assassinada a balbúrdia. Saem os devotos da 241.

23:15 Restam 4. Telefone. Pendências técnicas. Bastidores! .... Liberados!

23:30 Dois na estrada.

23:45 Druida!

Tudo certo, tudo sorte, é sortir do dia, sorrir o outro, nada imprecar, dos desdouros não curar, e seguir por diante!

Até dia 31!

domingo, 3 de outubro de 2010

AMIGO Do PLEITO

Quem quiser que continue com o berço esplêndido, eu vou pleitear o Brasil!

sábado, 2 de outubro de 2010

78 dias... O amor nos tempos da cólera


E os brutos, que também amamos,
Penamos, transportados, a tal da dor
Agrilhoados em plenas farpas
Em pleno primaverado jardim

Ó Kundera!
Quem me dera!...
Não me oprimisse a primavera!

Ô primaverinha DI praga!