sexta-feira, 25 de novembro de 2016

ESTAÇÃO BOTAFOGO

No Estação Botafogo
apenas elegantes senhoras,
elegantes à outrora,
veem passar o tempo.

Irmandade Lumière.
já não têm (ou tiveram) maridos,
e seus rapés.
Estão ali tão livres!
E convertem o tédio em festejos.

Lembram-se do que não vejo.
Do que em verdade nunca vi.
Ou talvez tenha visto de outra feita
e, contrafeito, me esqueci.

O tempo dilata-se,
como é próprio do domingo.
Minha juventude aquilata-se,
não há outros jovens comigo.

Eu que nasci para ser livre,
ou só(,)para ser sozinho.


Rio, 20/11/2016.

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

HABEAS PALAVRAS

Na flor da idade
à flor da pele.
Ninguém a lhe falar
(ninguém se atreve!).


Parece indiferente,
mundo particular.
E nós, um mundo de gente,
ninguém para articular

as palavras que firam o silêncio,
que curem a moça esquecida
dessa vida de convento.

Que a resgatem das falsas alturas,
essa vida trancada em torre,
que é vida de sepultura.

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

TEM QUE SER AGORA: ANO 90

Sim, o meu cérebro vai-se deteriorar, porque não jogo "Paciência", nem Sodoku e sou um homem de rituais. E nos primeiros dias das férias em que não viajo (não?) venho a isto e volto no tempo, e estou na quarta série. Os mais velhos cantam "Era um garoto..." no especial (sabe, o ônibus escolar...). E tem amigo oculto e quero o disco que tenha essa canção. E me dão. E é bom. E é a primeira coisa que escolhi pra mim. E quero ser aquilo. O que é aquilo? E quanto tempo leva pro cabelo crescer? Quem é Mathias Rust? Pra que um exército? E pra que ser eterno (e quem tem escolha?)? E o tempo passa e nada fica pra trás, porque tudo é o tempo todo. E o analista não diz nada (Eles não dizem nada, e nem sei se acham alguma coisa. E eu é que tenho que achar, e me encontrar...). A psicóloga é melhor. Diz um monte. Diz que tenho de terminar o que começo, que coisa inconclusa é muito ruim. "Mas, Maria, eu não quero conclusão. Até escrevi um poema que falava do juiz..." E a terapeuta testa elementos e sou só intuição e emoção. "Eles têm razão, mas a razão é só o que eles têm. A lâmina ilumina a mão, a lâmina cria a escuridão. Há muita grana atrás de uma canção. Ninguém se engana com uma canção..." E o Maltz diz que me falta terra (e com outros dois já combinara ser estrangeiro). Três até, se tiver medo de atirar em estrangeiros. E a filosofa diz que tenho problemas com regras e contenções mas eu não tenho. Vou fugir da ABNT a toda velocidade, escrever um livro chamado "Feito Diverso" e a primeira canção do primeiro disco era esta:

"Não interessa o que o bom senso diz.
 Não interessa o que diz o rei.
 Se no jogo não há juiz
 não há jogada fora da lei.

 Não interessa o que diz o ditado.
 Não interessa o que o estado diz.
 Nós falamos outra língua.
 Moramos em outro país."


quinta-feira, 10 de novembro de 2016

UM NATAL (Vendo Lojas)

Nosso Natal é estranho!
Não é um Natal brasileiro,
é um norte-americano.

Ou é um Natal europeu.
Natal elegante de inverno,
não um Natal de plebeu.

O sol racha sobre nossa raça.
Um sol longo, nada breve.
Mas o brasileiro, de pirraça,
veste seu Natal de neve.

E não é sequer novidade.
Sempre tivemos desfiles
de ternos por nossas cidades.

Um calor desgastante
e a gravata os sufocando,
numa morte elegante.

Todo dia se morre um pouco.
Quanto ao ponto é mais livre
um qualquer do povo.

Esqueça, meu irmão,
adereços de vária cor,
e prefira dar o endereço
de seu coração ao Senhor.

O Natal é o Dele,
sob Ele todos irmãos.
E há de nos perdoar
vivermos cada um em sua estação.

sábado, 5 de novembro de 2016

PAÍS DA VONTADE

Sou o país da vontade.
Preciso de seu concurso
pra penetra-lhe a intimidade.

Sou o país do tesão.
Sei que a proximidade
não lhe parece invasão.

Sou o país do sexo.
Sei que vai-se entregar
e vociferar o sem nexo.

Sou o país do samba.
Sei que não vai-me negar
guerra santa em sua cama.

País da satisfação.
Ignoremos as notas
da pedrarrolante canção.

Somos países vizinhos.
E não demora tanta vontade
fundir-nos no mesmo ninho.

Somos países fronteiriços.
Valem laços de amizade,
mas sem domínio ou feitiços.

Somos de um só continente.
É quase a mesma língua
para o jogo do contente.

Com outros somos vasto mundo.
Outros nomes dariam rima,
ainda sem solução.

Apenas se lembre do claro:
Quanto mais "sim!" menos "não!".