terça-feira, 19 de setembro de 2017

BUSCA (Perdão)

Busca,
brusca,
minhas mãos.

Uma reconhece sua falta,
outra lhe outorga o perdão.
É quando estou mais liberto:
o perdão que ofereço está dado
(não precisa pedir acesso).


O perdão é um dom resplandescente,
nos eleva à condição
supra-animal de gente.

Fora do perdão, a guerra.
Aquém do perdão, a vingança.
O perdão não exercido
é o algoz da esperança.

Tenha plena certeza:
ninguém nasce sabendo.
Apenas mais acostumado
com o que vinha aprendendo.

Não há inferiores,
não existe não ter salvação.
Qualquer planta, nutrida e regada
conhecerá floração.

Gente é tudo semente de anjo,
até o mais extraviado.
Quanto mais amor mais anjos,
menos anjos se mais penalizados.

Então deixe de sentir-se o eleito,
toda água brotou na fonte.
Só juntos seremos perfeitos,
nos deixe beijar-lhe a fronte.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

ESCREVE!

Ainda se ninguém lê Poesia, escreve-a sem entrave. Sempre vale, se devolve burilado ao mundo o que do mundo te invade.


"Permita que o Amo invada sua 'casa-coração''

DESENHO HUMANO (Projetor)

Não venci na vida,
essa postura envaidecida
é coisa de quem não entendeu.

Vivo pelo seu triunfo,
e essa força me anima.
A vitória que me rege
vai de pequena a imensa.
Resplandece quando quer,
só existe se está propensa.

Depois que me libertei
as algemas se proibiram.
Derretem-se já no limiar.
A melhor gema, está claro,
é pedra cristalina e solar.

Florir-se, girassol,
nada sob a candeia.
Nada atirado ao irmão
(quem ama não incendia!)


Mas estar incandescente,
num mundo carente de Luz,
é uma postura fraterna,
que aprovaria Jesus.

Não existe pena de vida,
Vida vale a pena!
Entende-o quem perdoa,
perde-se quem condena.

Dias concatenados,
com o intervalo da noite,
que é descanso e não ocaso
(que o espirito não se alvoroce!)


A Alvorada está plantada
desde tempos imemoriais.
Confie mesmo na madrugada,
e a madrugada já ficou pra trás.