sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

SOUDCLOUD

Interrompemos a programação normal apenas para lembra-vos que tudo o que vai sendo postado aqui (e, portanto, na página do Facebook) também vai sendo postado, em áudio, na SoundCloud, onde consto como Gabriel Nogueira Maia.

https://soundcloud.com/user-580381287

725. ENXADRISTA

Para Joyce Paiva

A vida prega peças
que não sabemos manejar.
Falta o talento do enxadrista:
refletir, planejar.

Às vezes nos atropelam fatos,
multiplicam-se distrações.
Cada um tem seu passo
e o caos da multidão.

Tantas possibilidades!
Tanta conjugação se oferece!
É difícil em qualquer idade,
uma espécie de continuado teste.

E é de fato!
E é como se aprende a arte da vida.
"Até com os erros dos outros!",
disse o anjo da Paraíba.

Prestar atenção.
Retificar, absorver.
Sem nunca julgar as falhas
de quem possa estar pra trás de você.

A vida é uma escola solta,
as séries todas misturadas.
A cada um segundo suas escolhas,
mas nunca o que se colhe é nada.

No mínimo o prejuízo
de a nada ter-se lançado.
Que é o mesmo de não ter vivido,
de ter-se mesmo assassinado.

Não faça ouvidos moucos,
não deixe os olhos fechados.
Esforce-se ao menos um pouco,
a força está do seu lado!

O lado luminoso da força,
o radiante bem!
Comprometa-se, íntegro,
e verá que nada o detém!

724. ME ATREVO

Com que conhecimentos me engano?
Quem precisa saber o que é o escafandro?
Muitos não sabemos nem do que feitos.
Muitos não somos sujeitos.

Muitos só estamos sujeitos
ao que nos maltrate e conserve.
Alguns embebidos em vinagre,
outros como se dados aos vermes.

Que mosca me veio da sopa do inerme?
Que bicho talhou meu vinho?
Por favor me liberte ou me interne
o seu mais terno carinho.

Não é um tempo confuso.
Quero praticar a fusão.
Que me venha a matéria de Pernambuco.
(É o que me pede o coração)

Ideia fixa os modos de frevo,
porque não existe alegria pouca!
Alegria é fevereira!
De cantar até ficar rouca!

Dançar até enfraquecer-se
e procurar uma cadeira.
E atear fogo em meu interesse,
em reação em cadeia.

Reações tão fortes!
Relações tão intrincadas!
Não sei se dão prova de sorte
ou de coisa predestinada.

Não sei do que lhes falo tanto..
Eu que nunca sei de nada...