quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Drôle!


Quem não chora "Dá aqui!" não mama, Dalí!
Peça, ô peça!

Metapastiche

Reclamam da organização social que nos legou o traço luso, de não ter havido negligências salutares, de nos não haver dominado gente outra cujo rastro fosse uma tal civilização, mas já se deram conta do gozoso que é ler o Pessoa na materna?

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Non Serviam


O diabo teria sido uma engenhosa invenção da Igreja para explicar como, tendo sido o homem feito à imagem e semelhança de Deus, a maldade grassa no mundo. Um anjo teria apenas cogitado de não servir a Deus todo misericordioso, e o Tribuno Celeste fê-lo tombar à miserável Terra. 

Notem o quanto antecipou-se o mestre a Descartes (que aliás queria provar a antecipação?) e a seu cogito ergo sum. Cogito de o ser, logo sou... demoníaco! Anjo cadente! Bonita chuva! Chovam seus desejos!

Tribunal Celeste de exceção. Lembra Minority Report: o contraventor é neutralizado mesmo antes de lançar-se à execução. Mas não prestou a queda angélica, não para o mundo nosso atingido, tingido de vermelho.

É, mas parece que o que vale é a intenção, então! Di-lo Deus! Se intensa, então...

Lembrei-me desses orgulhosos maridos de mulheres castas à custa de vigilância. Não se pós-graduam, não malham, não se entretêm com amigas... Digo-lhes mui religiosamente: se a campânula é mesmo necessária, ei-los cornos e adúlteras!

Libertai-vos! Livrai-vos do mau "amem!""

sábado, 17 de setembro de 2011

Sin Sim

Não
Não estou às ordens.
Não estou a instâncias
Não estou em jactâncias.
Não estou.


Vou.
Eis o quê?

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Partículas

Há partículas a que nos afeiçoamos, não sei se com justiça. Não sei se há razão no deixar-se estar. Talvez razão não haja mesmo, e vai ver padecemos é muita emoção, e é essa a nos imobilizar na contemplação da beleza passada daquele tempo sobre o qual nos detemos. Sim, partículas de tempo, e as há diversas!

Fui dar nisso por via transversa, em pleno sonolento barbeiro, deitado, a cabeça supostamente repousada sobre o apoio avesso à ergonomia que ali se nos oferece. Tentou-me dizer que se gabava, mas o habitante desta nossa rua Fleet não é nada demoníaco, e tem até  um tom bem modesto. A verdade é que tecia considerações sobre as mulheres em geral, partindo, é claro, de seu reduzido particular. Soltou-me:

"A mulher ela hoje tem de ver alguma coisa nocê pra ficar concê".

Pensei e quando  foi diferente? Não sei a que vem esse "hoje" que tenho visto sempre imiscuir-se em falas quase arrebatadas dos que buscam aceitação. Pensei que não é esse o ater-se ao "hoje" que ameacei pregar ali mais pra cima... 

É, acho mais que do que preciso é de ver o hoje à luz do amanhã, e não de o ler pela cartilha do ontem, tentando escapar do esgotado travestindo-o de sempiterno ou, pior, de próprio do hoje!

Meu mundo é hoje!

Acho que não sei...

terça-feira, 6 de setembro de 2011

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Teorema






Às vezes, por rotas mais floridas e chegada mais serena, tomam-se os catetos e deixa-se a hipotenusa.