quarta-feira, 28 de abril de 2010

segunda-feira, 26 de abril de 2010

LUZ-CIDEZ.

Porque às vezes irrompe o Sol
Rompe a noite
E atino que a Lua é iluminada
E luminosa é outra coisa!

sábado, 24 de abril de 2010

"Eu tava bêbada!" - Ex vi legis



Art. 61 - São circunstâncias que sempre agravam a pena, quando não constituem ou qualificam
o crime:


I - a reincidência;
II - ter o agente cometido o crime:
a) por motivo fútil ou torpe;
b) para facilitar ou assegurar a execução, a ocultação, a impunidade ou vantagem
de outro crime;
c) à traição, de emboscada, ou mediante dissimulação, ou outro recurso que
dificultou ou tornou impossível a defesa do ofendido;
d) com emprego de veneno, fogo, explosivo, tortura ou outro meio insidioso ou
cruel, ou de que podia resultar perigo comum;
e) contra ascendente, descendente, irmão ou cônjuge;
f) com abuso de autoridade ou prevalecendo-se de relações domésticas, de
coabitação ou de hospitalidade, ou com violência contra a mulher na forma da lei
específica;16
g) com abuso de poder ou violação de dever inerente a cargo, ofício, ministério ou
profissão;
h) contra criança, maior de 60 (sessenta) anos, enfermo ou mulher grávida; 17
i) quando o ofendido estava sob a imediata proteção da autoridade;
j) em ocasião de incêndio, naufrágio, inundação ou qualquer calamidade pública,
ou de desgraça particular do ofendido;
l) em estado de embriaguez preordenada
.



Para quem acha que o termo não é autoexplicativo, digo, talvez em abuso de síntese, que a embriaguez preordenada é aquela em que o animus de cometer a conduta vedada é anterior ao de se embriagar. É o caso em que o agente embriagou-se, não acidentalmente, mas desejoso do efeito etílico de relaxamento dos freios morais, para encorajamento no cometimento do ilícito. Impende notar que a lei não só não a considera exculpante, mas a tornou agravante.

Portanto, gurizada, não adianta!

Sem falar no famoso efeito colateral: quem se embriaga de bom grado, abandona-se à sorte, tornando-se res derelictae, ou seja, quem de você se apoderar para logo lhe adquire a posse, haha! É...não tem dono!

Ah, pode relaxar, isso era de 1916! haha!



quarta-feira, 21 de abril de 2010

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Defesa Prévia Bi-póstuma

Disse-me esses dias o MeiaTigela que o hebdomadário (Apenas)Veja publicou uma reportagem sobre a aquática situação do Rio, e, surpresa, culpavam o Leonel! Eles são mesmo muito bons, né! Vamos ao óbvio: Culpar os que estiveram é uma maneira tímida (ah, morte ao tucanês: Covarde!) de exculpar o que estão! Mas a voz do povo....: "Errar é humano; culpar os outros, divino!" Só porque Seu Lionel não deixava os meganhas subirem o morro BOPEing the heads of the poor, ou porque tentou fazer do Rio uma escola? Cara, "descola outra, vai!", sou de escola outra!
E SE NA TV VC VIR...


sábado, 17 de abril de 2010

MORFA

Não a pensei como a sentira
Não a senti como a pensara
Nunca pensei como assentira até a-sentir
Como assentir e apensá-la?
Quisera a-pensá-la, mas
Estando já pensada e... tanto!
Pensa!
Dis-pensá-la
Quisera re-senti-la,
mas ressentir-me...
Posso mais neste que me enriquece.

terça-feira, 13 de abril de 2010

dó! fá SOL lá si...

C! F G A B...

Dó eu tenho é do Sol; nunca encontrou sombra nem tocou água fresca!


segunda-feira, 12 de abril de 2010

domingo, 11 de abril de 2010

Mundimaestria


Hoje fui prestigiar a abertura da temporada de concertos no Parque Municipal. No programa, Rossini, Mozart, Cimarosa, Sibelius, Cherubini e Beethoven. Enquanto estava em pé ali, no ambiente tão bucólico quanto se pode no centro de uma metrópole, ouvindo aquela música eterna, ocorreu-me: Os maestros têm muito mais razão, seja o caso de terem "complexo de Deus", do que Médicos, Juízes, e Desembargadores (estes, dizem, não têm complexo, têm certeza de sua divindade). Afinal, quem além deles, tem o condão de, com simples ademanes, fazer soarem desde angelicais clarins até apocalípticas trombetas!?


Fiat música!

terça-feira, 6 de abril de 2010

Grandes Homens de Movimento



"Quem sabe direito o que uma pessoa é? Antes sendo: julgamento é sempre defeituoso, porque o que a gente julga é o passado. Eh, bê. Mas, para o escriturado da vida, o julgar não se dispensa; carece? Só que uns peixes tem, que nadam rio-arriba, da barra às cabeceiras. Lei é lei? Lôas! Quem julga, já morreu. Viver é muito perigoso, mesmo."




Julgo muito acertado esse parecer do Rosa, digo, de uma sua personagem. É um serviço sujo, mas alguém tem que fazer? Não, obrigado! "... que mal tem?" Então aproveita o seu vintém. Vim, e não tem nada que me faça martelar sobre o alheio, é o que martelo aqui comigo. "Atrás da mesa o açougueiro comanda e a intolerância me manda de novo pro banco dos réus!" Se não vê desacerto, concerte seus esforços e encha a burra na burra manutenção do posto. Ah! Quantas vidas se contêm em uma? Qual Pó Royal! Somos uns enlatados! Mas será que essa nossa continência tem de ser em fiel reprodução do infiel modelo em infindável produção? Não sei não... Convergi em divergência da primeira hora, e me apraz que muitas vidas caibam em uma e que, aproveitando o dito no novo fenômeno nacional em película, sempre se possa engendrar novo fim. A fim de quê? Com os afins ou com outros? Ah! Vou prali! Vade Mecum!

E olhas os mestres do que é Direito:


















Wonder if he will ever know:











Ah, cara! Esquece, é só que se me inoculou muito cedo aquele bomgauchismo, e acho mesmo que "toda forma de poder é uma forma de morrer por nada". Mas bom por bom, pode ficar com quem fez falar o bom Bruxo do Cosme Velho, mais sapiente, vetusto, cuja criatura disse: "A melhor visão do chicote é ter-lhe o cabo na mão!" E não se esqueça: "Quem mente antes diz a verdade!"


Is there life on Mars? Justiça, vou amar-te!

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Vida na Zona IN:VERSÃO BRASILEIRA



É ano de eleição, ano de pleito, e nenhum taualegre ousará pleitear sombra e água fresca! É a vez da labuta! Neste ano milhões de brasileiros, a maioria sem a menor noção do que faz, ou de por quê faz, irão às urnas (modernas, eletrônicas) escolher novo "soberano". Na certeza de conseguir o favor do voto, uma turba ganhará as ruas munida de gentilezas, brindes, e promessas vãs, tudo afagos para o carente eleitor.

Brasileiros muito diversos, organizados, concertados (futuro da nação?), rendem-nos curioso causo. Na pacata San Casciano, o Instituto Florentino Nicolau é o único sítio em que há, sistematicamente, de sete e quinze às onze e quarenta e cinco da manhã, grupos reunidos em torno de um fim comum. O IFN, uma escola secundária, era dirigido com mão de ferro por Dona Catarina dos Médicos, única educadora de uma família, no mais, inteiramente dedicada à arte de Hipócrates. Mulher de fibra, é certamente temida, do que dá prova o abalo estrutural que ainda hoje arrebata os alunos que a deparam nas ruas. Mulher de fibra, certamente não é respeitada, do que dão prova as mil caricaturas que ganham as portas do banheiros, cuja principal atração é a "Catarinoçu do papo amarelo".

Notaram alguns pretéritos no parágrafo precedente? Catarina já não é a Sra. Diretora, é vereadora; aliás, é presidente da câmara, graças à surpreendente votação que recebeu nas últimas eleições municipais, no nada saudoso ano de 2008. Ao que consta, deixando a ver navios os simpáticos errantes de plantão, Catarina amealhou a totalidade dos votos dos cidadãos em fase escolar.

E viva a união feita à força!
E viva, muito viva, a força do medo!

Desato a rir do desatino

Ir embora
agora haja
quem de nós goste
sem (n)os desatar?!?!